Ir direto ao conteúdo

Voltar

Fisioterapia acelera a absorção do derrame pleural tuberculoso

Em um estudo recente publicado na Revista Brasileira de Fisioterapia, pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro demonstraram a importância da inclusão da intervenção fisioterapêutica no tratamento de pacientes com derrame pleural tuberculoso.
A tuberculose é um grave problema de saúde pública no Brasil, podendo levar ao aparecimento de derrame pleural. O tratamento convencional da tuberculose é realizado por meio do uso de medicamentos específicos. Entretanto, a descoberta de tratamentos auxiliares que aumentem a velocidade de absorção do derrame pleural é muito importante.

Neste estudo, foram avaliados 20 pacientes com diagnóstico de derrame pleural tuberculoso, divididos em dois grupos: grupo controle, que fez o tratamento padrão com medicamentos antituberculose, e o outro grupo (grupo intervenção), que, além dos medicamentos específicos, realizou um tratamento fisioterapêutico denominado CPAP (pressão positiva contínua nas vias aéreas). Durante um mês, os pacientes do grupo intervenção realizaram tratamento fisioterápico com uma pressão positiva contínua de 10 cmH2O, por 30 minutos, três vezes por semana.
Para acompanhar a redução do volume do líquido pleural, foram realizados exames com tomografia computadorizada com reconstrução desse volume em imagem tridimensional (3D). Os autores verificaram que, no grupo que realizou o tratamento fisioterápico com CPAP, houve uma redução de 83,5% no volume do derrame pleural, enquanto que, no grupo que utilizou somente o tratamento padrão, a redução do volume foi de 36,9%.

A fisioterapia respiratória tem se mostrado uma forte aliada na prevenção, tratamento e redução das complicações respiratórias em diversas doenças. Neste estudo, demonstrou-se que a inclusão da fisioterapia ambulatorial, por meio do uso do CPAP, proporciona uma melhora substancial na absorção do derrame pleural tuberculoso.